Tecnologia

3 conclusões do caso de discriminação de gênero de Ellen Pao contra a KPCB

Ellen Pao deixa o Tribunal Superior do Centro Cívico da Califórnia durante uma pausa para o almoço de seu julgamento em 10 de março de 2015 em San Francisco, Califórnia. A CEO interina do Reddit, Ellen Pao, está processando seu ex-empregador, a empresa de capital de risco do Vale do Silício Kleiner Perkins Caulfield and Byers, por US $ 16 milhões, alegando que ela foi assediada sexualmente por funcionários do sexo masculino. (Foto de Justin Sullivan / Getty Images)

Justin Sullivan / Getty Images

A imagem autocultivada do Vale do Silício de utopia meritocrática sofreu uma surra nos últimos tempos. Na semana passada, essa imagem foi derrubada mais alguns entalhes como a de Ellen Pao acusação de discriminação de gênero contra a famosa empresa de capital de risco Kleiner Perkins Caulfield and Byers (KPCB) foi finalmente levado a julgamento.

Os detalhes que surgiram do caso são desagradável e espalhafatoso , mas também fecharam as cortinas para o funcionamento insular da indústria de capital de risco. Aqui estão os principais fatos do caso:

A advogada e engenheira formada em Harvard e Princeton, Ellen Pao, estava vivendo a história arquetípica de sucesso do imigrante. Seus pais eram imigrantes de primeira geração no país. Pao, agora com 45 anos e atuando como CEO interino do Reddit, fez faculdade e pós-graduação, onde se destacou. Depois disso, ela se tornou sócia da KPCB, uma das empresas mais renomadas do Vale do Silício.

A KPCB geralmente atrai a nata da cultura de escolas de negócios e instituições de engenharia de prestígio. Com suas credenciais impecáveis, Pao, que fora contratada como chefe de gabinete do renomado capitalista de risco John Doerr, teria ascendido rapidamente na hierarquia.

Exceto que as coisas não saíram do jeito que deveriam. O recém-divorciado Pao acabou tendo um caso com Aniruddha Ajit Nazre, uma índia que também se formou em Harvard e também parceira da KPCB. A ação movida por Pao alega que ele retaliou contra ela depois que o caso terminou, dando a ela uma avaliação de desempenho ruim. Posteriormente, o processo afirma que uma cultura masculina dominante trabalhou para marginalizá-la. A KPCB, por sua vez, argumenta que Pao não correspondeu às expectativas e não era adequado para o trabalho.

É verdade que houve vários casos semelhantes no Vale do Silício. Por exemplo, o cofundador do Tinder, um aplicativo popular de namoro, foi recentemente demitido depois que surgiram notícias de que ele havia ameaçado um anterior namorada (que também era cofundadora do aplicativo) com rescisão após seu relacionamento azedar. Mas a maioria desses casos envolveu jovens empresários que não tinham muito trabalho anterior ou experiência profissional.

KPCB é uma engrenagem vital na história do Vale do Silício. Foi um investidor original da Amazon e do Google, duas empresas que representam o que há de melhor no setor de tecnologia. É uma empresa com experiência e profissionais, e é um representante digno da cultura do Vale do Silício. Mas, como demonstra o processo judicial, essa cultura está longe de ser perfeita.

Aqui estão três conclusões principais do caso.

1. As regras de engajamento em um novo local de trabalho não são claras

O surgimento (e a crescente popularidade) das mídias sociais tornou a distinção entre a vida pessoal e profissional pouco clara. Em setores mais conservadores, como o financeiro, as relações com os funcionários são circunscritas por um código de conduta que ainda se baseia na demarcação entre a vida pessoal e profissional.

Mas as empresas de tecnologia e empresas de capital de risco trabalham em uma dinâmica diferente. Com campi enormes e um conjunto de amenidades que convertem espaços de trabalho em residências, as empresas de tecnologia confundem a diferença entre a vida pessoal e profissional. Por exemplo, tanto o Google quanto o Facebook têm exceções especiais para trabalhar com cônjuges e não discriminam ou executam ações punitivas contra colegas de trabalho que mantêm relacionamentos consensuais.

Pao afirma que foi “pressionada” a um relacionamento com Nazre, e a KPCB afirma o contrário. (Nazre foi demitido da KPCB depois que foi descoberto que ele havia assediado sexualmente outro funcionário.) O problema, neste caso, é que havia sem políticas de orientação para tais situações. Como resultado, as regras de engajamento não eram claras.

Por exemplo, deveria Nazre ser responsável pelo trabalho de Pao, dado seu relacionamento anterior? Além disso, e se a dinâmica fosse invertida, ou seja, Pao avaliou Nazre. Alegações semelhantes seriam verdadeiras?

A ausência de tais políticas não seria um assunto tão sério se não houvesse desigualdade na proporção de sexos nas empresas de tecnologia. As alegações de Pao são importantes no contexto geral de diversidade na indústria de tecnologia.

2. A discriminação de gênero é uma ladeira escorregadia

É fácil (e, de fato, tentador) categorizar este caso como reflexo do viés sistêmico na indústria de tecnologia. A verdade, entretanto, é complexa e multifacetada. Isso ocorre porque o número agregado de mulheres no capitalismo de risco e nas indústrias de tecnologia é baixo devido a uma combinação de fatores, desde as percepções da sociedade sobre essas carreiras até a falta de candidatas do sexo feminino para esses cargos.

Como o renomado capitalista de risco John Doerr, que considerava Pao sua 'filha substituta', explicou durante o julgamento, a razão de não haver um número maior de mulheres no capital de risco é porque não há o suficiente no grupo de candidatos em si. Se um número maior de mulheres candidatando-se a cargos de engenharia ou capital de risco fosse rejeitado, isso seria uma evidência clara de discriminação de gênero.

Uma das razões pelas quais há menos programadoras ou profissionais de capital de risco do sexo feminino em comparação com os homens é porque os estereótipos sociais encorajam a participação masculina. A indústria automotiva, onde uma das pessoas mais poderosas é a mulher (Mary Barra, CEO da GM), passa por problemas semelhantes. O mesmo pode ser dito de outras profissões consideradas domínios masculinos, como a construção civil ou as forças armadas.

são Jim e Pam do escritório casados ​​na vida real

3. Os estereótipos são difíceis de superar

Ellen Pao foi convidada a falar. Ela foi convidada a ser confiante, mas não arrogante. Este caso está repleto de contradições e terminologia vaga. Por exemplo, 'liderança inovadora' era um termo consideravelmente discutido durante o testemunho. O termo se refere a um especialista em um assunto específico.

Nos escalões superiores da administração, essa terminologia não é incomum e também pode se tornar objeto de muito humor. No entanto, torna-se incendiário quando justaposto aos estereótipos de gênero. Por exemplo, Pao foi descrito de várias maneiras como “territorial” e “dominador”, adjetivos raramente usados ​​para homens em posições de liderança.

Essas descrições vão contra o conselho dado pelo diretor de operações do Facebook, Sheryl Sandberg, a exortação de 'inclinar-se'. Sandberg, posteriormente, lançou uma campanha para banir a palavra “mandão” do vocabulário corporativo.

Mais da Folha de Dicas de Negócios:

  • Por que Hillary Clinton não deve ser a primeira mulher a presidente
  • Por que a diferença salarial de gênero ainda existe?
  • Existe preconceito de gênero no investimento?